Busca Home Bazaar Brasil

Dolce & Gabbana leva o arco-íris para a joalheria

A “Rainbow Collection” já está nas vitrines das lojas brasileiras da grife italiana

by Silvana Holzmeister
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Quando Domenico Dolce e Stefano Gabbana batizaram o inverno 1987/1988 de “La Sicilia”, a Dolce & Gabbana era uma neomarca construindo sua própria personalidade em meio à estrondosa influência do japonismo e que incluiria, para sempre, a inspiração na mulher sulista mediterrânea de cabelos escuros e personalidade forte, no universo católico, nos mercados e nos espartilhos que a mãe de Dolce usava.

Na estação seguinte, a dupla colocou na passarela a primeira versão do que ficou conhecido como “o vestido siciliano”, uma leitura moderna do vestido preto usado em filmes por atrizes lendárias, como Anna Magnani e Sophia Loren.

Corta para a coleção verão 2012, quando os estilistas lançaram mão de todos os tons de uma Itália retrô, sem deixar de lado a paixão pela ilha cercada de praias paradisíacas. Essa fase festiva está particularmente conectada à linha “Rainbow”, que há quase três anos dá corpo a acessórios de renda arrematados por broches de cristais em todas as cores do arco-íris.

Agora, Domenico e Stefano levam a proposta para a joalheria, com pedras garimpadas principalmente no Brasil e na África e lapidadas ora de maneira simétrica, ora irregular.

Apesar do visual quase barroco dar o tom constantemente nas passarelas, é a simplicidade que guia a estética das sete peças, incluindo um relógio-bracelete. Delicados arabescos em ouro 18 quilates surgem apenas no acabamento inspirado na era Bourbon, a nobreza francesa que, no século 19, estendeu seus domínios até a Sicília. O recurso abre espaço para destacar a exuberância cromática de safiras, topázios, turmalinas, citrinos e ametistas organizadas do roxo profundo ao azul clarinho.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Fotos: Divulgação

Fotos: Divulgação

Nas três joias mais poderosas – colar, pulseira e relógio arrematados por uma pérola –, a lapidação em vários formatos dá a impressão de caos, mas o efeito foi cuidadosamente pensado para seguir uma aparência orgânica, mais próxima da natureza. O resultado permite trânsito livre para que acompanhem tanto um look básico de jeans e camiseta quanto um dos florais multicoloridos do próximo verão da marca.

Gabbana conta à Bazaar que a coleção integra a linha fine jewelry, lançada em 2011. “A Dolce & Gabbana representa herança, tradição, família e amor. A maioria das peças, de uma maneira ou de outra, relembra e se conecta a esses valores profundos e muito importantes para nós”, diz ele, enquanto Dolce acrescenta a importância de privilegiar o uso de técnicas artesanais. “São joias feitas à mão, seguindo as verdadeiras tradições da cultura do ourives italiano. Elas representam facetas da nossa cultura”, reforça.

Os ateliês ficam em Legnano, cidade localizada a 30 minutos de Milão, onde também funcionam o QG da marca e toda a sua estrutura de logística. Cerca de 45 artesãos, gemologistas e especialistas em modelagem 3D dedicam-se a dar forma às coleções.

A alta gioielleria reúne peças one of a kind, que são vendidas apenas durante as apresentações ou no ateliê de alta-moda, em Milão. Mais democrática, a fine jewelry é produzida com tiragem limitada e distribuída em endereços selecionados em cerca de 15 capitais ao redor do mundo.

E a “Rainbow Collection” já está nas vitrines das lojas brasileiras da marca. Com ela, a dupla de criadores acentua que todos os tons levam à Sicília.

Leia mais:
Francesca Amfitheatrof investe em grife própria de joias
Pedras quentes são apostas certas para as joias de 2019
Tendência: os olhos estão de volta com tudo na moda