Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Apoiada pela Le Lis Blanc, a Escola Vidigal desenvolveu em parceria com a marca uma coleção especial com estampas feitas a partir de desenhos criados por alunos da instituição. As próprias impressões digitais das crianças, com idades entre 5 e 12 anos, foram a base das ilustrações presentes em peças como moletons, bolsas, nécessaires, lenços e t-shirts.

Desde 2015, a escola idealizada pelo artista plástico Vik Muniz e pelo fotógrafo Fábio Ghivelder, no Rio de Janeiro, estimula a criatividade por meio de aulas de arte e tecnologia para as crianças da comunidade, localizada na zona sul da cidade.

Liderado pela professora de alfabetização visual Daisy Santos Soares, o projeto, batizado de “Identidade”, teve como inspiração o trabalho do ilustrador americano Ed Emberley, autor de livros que ensinam as crianças a desenhar.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Em um processo que visa a explorar o descobrimento de características pessoais e traços de suas personalidades, as crianças transmitiram para o papel muito mais do que suas impressões digitais. “A arte pode ser uma ferramenta importante em lugares de conflito. Ali, temos uma oportunidade de identificar na prática as barreiras e os problemas vivenciados na comunidade”, explica Muniz, que ganhou projeção internacional com suas obras feitas de materiais inusitados.

Segundo o artista, as transformações são evidentes para os estudantes que passaram a frequentar o local. Eles se tornaram mais participativos graças às aulas de dança, música, teatro, desenho, ioga, meditação e programação, entre outras. “A geografia do Vidigal limita o lazer das crianças. Nas nossas aulas de programação, por exemplo, em vez de apenas se entreterem com jogos eletrônicos elas aprendem a criá-los”, detalha o artista.

Leia mais:
Febre do jeans: aqueça seu denim com amarelo e vermelho
10 mulheres fashionistas que lutam pelos direitos femininos
Kylie Jenner usa vestido de grife brasileira de R$ 3,5 mil