A Linus é uma marca nacional que promove a sustentabilidade em suas coleções – Foto: Reprodução/Instagram/@use.linus

A crise climática está mudando a forma como as indústrias funcionam. Todas elas. Afinal, os danos causados por uma impactam a vida de toda a população. Com produtos mais sustentáveis e modelos de negócio ambientalmente conscientes, essa nova tendência tem buscado atender à demanda de consumidores preocupados com a origem dos produtos que consomem.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Quando se fala de indústria da moda, a palavra “sustentável” não é a primeira que vem à cabeça, e isso não acontece à toa, já que se tornou uma das indústrias mais poluentes do mundo ao longo dos anos, perdendo apenas para o setor de petróleo em quantidade de emissão de gás carbônico na atmosfera, com um total de 8%. Contudo, este cenário já está sendo alvo de mudanças positivas em prol de uma produção mais consciente e sustentável de peças e itens de moda, além da forma de consumo das pessoas.

A fim de alcançar índices de sustentabilidade ambiental aceitáveis, como a emissão zero de carbono, a indústria da moda precisa de uma reformulação completa, desde a pesquisa por matéria-prima sustentável, uma cadeia de produção menos poluente, até o incentivo para um consumo consciente. E a tecnologia pode ser uma grande aliada.

Uma das vantagens dos avanços tecnológicos é a possibilidade de coletar, armazenar e analisar uma grande quantidade de dados. Quando aplicados para o fazer sustentável dentro da indústria da moda, esses dados podem ajudar a quantificar o ciclo de vida dos materiais e produtos, assim como medir a pegada ambiental da empresa, servindo de base para a tomada de decisão consciente quanto ao que deve ser utilizado e produzido.

Do ponto de vista da previsibilidade, os novos mecanismos tecnológicos ajudam a prever tendências, gerir a cadeia de abastecimento e reduzir o desperdício. Aliás, a indústria da moda descarta toneladas de material a cada ano. Pensando nisso, a realidade virtual pode ajudar os consumidores a experimentar as peças escolhidas virtualmente, através de um iPhone 13, por exemplo, diminuindo a pegada de carbono, decorrente de trocas e devoluções.

Com a tecnologia, também fica mais fácil para os consumidores rastrear a matéria-prima e a origem dos produtos que estão adquirindo, atestando as práticas responsáveis envolvidas na cadeia de produção e incentivando uma relação mais transparente entre indústria e consumidor final.

A tecnologia pode ser uma grande aliada da indústria da moda para uma verdadeira transformação sustentável, permitindo aos consumidores comprar e vestir peças ambientalmente responsáveis, ao mesmo tempo criando marcas que estão pensando e agindo em prol de um mundo melhor.