Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Assinando pela primeira vez a coleção Métiers d’Art, Virginie Viard busca referências no icônico endereço da Chanel, no número 31 da Rue Cambon, em Paris, onde fica o apartamento de Coco Chanel e que é repleto dos símbolos que a casa carrega até hoje. Na passarela do Grand Palais, Sofia Coppola recria em detalhes o apartamento e, ao colocar os looks neste cenário mágico, tudo passa a fazer sentido.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Quem abre são os famosos tailleurs da maison e seus desdobramentos (destaque para a versão preto e branca). Em seguida, o styling ganha um ar mais punk rock – influência de Karl Lagerfeld -, trazendo elementos oitentistas, como spencers de manga curta e correntes pesadas com pérolas, como cintos usados por baixo de calças. Em um terceiro momento, a marca aposta em cores, usando o degrade para fazer a transição da história da Chanel, do passado para e dias de hoje, onde Virginie se destaca – principalmente nas peças de cetim e seda com referência utilitária em um tecido mais leve, simples e chique.

A designer encerra o desfile resgatando as técnicas do ateliê, com bordados e a alta-costura, e em uma ode a tudo que representa a casa camélias e o Chanel nº 5 e não poderia faltar. Veja dez coisas que amamos no desfile da Chanel:

Os tailleurs

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Sem deixar a tradição da Chanel de lado, os tailleurs tiveram destaque na coleção, abrindo o desfile. A versão preto e branco moderniza o visual.

As cores

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Trazendo seu toque à coleção, Virginie foi acrescentando cores às peças ao longo do desfile.

O degradê

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Representando o desenvolvimento da marca, o degradê coloriu as roupas aos poucos, acrescentando suavidade aos vestidos.

Os acessórios

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Trazendo a mão punk de Karl, a marca apostou em correntes e acessórios de pérola, como colares e cintos, usados sob a roupa.

A bolsa

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Um dos destaques do desfile foi a bolsa em formato de gaiola.

A tradição

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Diversos elementos trouxeram a tradição da Chanel para a passarela, tanto com a sua elegância, quanto com os símbolos que marcaram a grife.

Os vestidos

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Representando a nova clientela jovem da Chanel, os vestidos de festa ficaram mais curtos e ousados – sem deixar a elegância de lado.

Os shapes

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

A marca apostou em cinturas bem marcadas, com saias fluídas e leves.

Nº 5

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

O número de sorte de Coco Chanel – e que dá nome a fragrância mais conhecida da marca – estampou a saia desfilada por Kaia Gerber.

O brilho

Foto: Reprodução/Now Fashion
Foto: Reprodução/Now Fashion

Uma sessão do desfile foi toda feita com tecidos com brilho, metálicos ou que ganharam bordados.

Leia mais:
Preto & branco: sete ideias de maquiagem para arrasar
Jaqueta Chanel chega aos 65 anos
10 coisas que amamos do verão 2020 da Chanel