Dossiê do diamante: tudo sobre a pedra preciosa

Ele pode ser encontrado em diversas lapidações, cores e tipos, e cada um atribui um valor diferente para a gema

by redação bazaar
Foto: Arquivo Harper's Bazaar

Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

O diamante é uma das pedras preciosas mais desejadas e comercializadas quando no universo da joalheria. Ele pode ser encontrado em diversas lapidações, cores e tipos, e cada um atribui um valor para a pedra. Quanto melhor o corte, lapidação, simetria e polimento do diamante, melhor o retorno de luz e por sua vez, maior seu valor.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Para entregar mais detalhes sobre a pedra preciosa queridinha de mulheres e homens ao redor do mundo, a designer de joias Andrea Murad contar um pouco do seu conhecimento no segmento sobre o diamante.

Lapidações
Lapidação é o processo que define o formato da pedra preciosa. O grande desafio do lapidador é acentuar o brilho da pedra ao máximo através da criação de facetas geometricamente posicionadas. Quanto mais facetas, mais brilhante o diamante, e portanto, mais caro. Com diversos tipos de lapidações, uma das mais famosas é o brilhante, que tem formato redondo em sua parte superior e possui 58 facetas.

Valor
Quando se fala em precificação de um diamante, os joalheiros e designer de joias levam em conta os 4Cs: color (cor), clarity (clareza), carat (quilate) e cut (corte). Criado pelo GIA (Gemological Institute of America), esta forma de classificação de diamantes é o mais aceito em todo mundo e mudou a forma como diamantes são comercializados.

Color (cor) – Os diamantes podem transitar entre o totalmente incolor ao tom meio amarelado. Quanto menos cor um diamante apresenta, maior é o seu valor. As cores dos diamantes tem uma classificação que vai do D (mais incolor) ao Z (possui mais cor), sendo o D, mais caros e mais raros, e do S ao Z, são considerados “fancy” – nomenclatura que se dá aos diamantes coloridos.

Clarity (clareza) – O diamante deve brilhar com profusão e apresentar uma pureza digna da mais valiosa das pedras preciosas. O grau de pureza do diamante se refere a presença (ou não) de manchas que possam diminuir seu valor. No Brasil estas manchas e inclusões são também conhecidas como “jaça”.

Carat (quilate) – Considerando-se o mesmo tipo de lapidação, quanto maior o peso (quilate) maior será a pedra. E quanto maior o diamante, mais raro ele é. Por isso, o valor do diamante sobe exponencialmente com o peso.

Cut (corte) – Este é o mais importante dos 4Cs e diz respeito a forma que a pedra preciosa foi cortada e lapidada. Ele representa a qualidade da lapidação, de acordo com a o cuidado e a experiência com que a gema foi tratada. Uma lapidação bem feita garante ao diamante um brilho e fogo que o faz se diferenciar das outras pedras.

Tipos
No mundo existem diferentes fontes de diamantes e dependendo do lugar onde ele é encontrado, por conta de interferências naturais, ele pode entregar colorações diferenciadas. Esses diamantes, por existirem em menor número e por serem diferentes e únicos, são considerados raríssimos.

Na Austrália, por exemplo, são encontrados diamantes laranjas, que possuem a presença de nitrogênio em sua composição. E são extremamente raros. Também existe os diamantes azuis, que transitam entre o tom claro até o escuro. Essas pedras levam o elemento boro, que atribuem essa coloração à gema.

Entre todas as “fancy colours”, a vermelha é a mais rara. A sua cor se deve a um “defeito” na sua cadeia cristalina, que traz essa coloração à pedra.

Também são encontrados diamantes negros, que possuem inúmeras inclusões e fraturas em seu interior deixando com uma tonalidade mais escura; diamantes rosas, que possuem uma particularidade na sua estrutura cristalina; e outras cores como verde, violeta, marrom e cinza, entre outras.

Leia mais:
Projeto Patronas apresenta coleção “Travessia”
Mistura de materiais e cores se destacam na joalheria
Oito passos para cuidar das joias