Foto: Fernanda Fehring

Por Fernanda Fehring

Uma verdadeira lenda da Riviera Francesa, o Hotel du Cap-Eden-Roc é o que há de mais elegante, discreto, bonito e charmoso na Côte d’Azur. Construído nos rochedos de Cap d’Antibes, uma das localizações mais bonitas de todo o sul da França, é um dos grandes hotéis do mundo e sua história se confunde com a da própria Côte.

Foto: Fernanda Fehring

É um lugar como nenhum outro, que abrigou e inspirou inúmeros artistas e foi imortalizado por F. Scott Fitzgerald como o “Hôtel des Étrangers” em seu quarto e último livro “Tender is the Night”. E que durante os 150 anos de sua existência recebeu as maiores estrelas de suas gerações, como os escritores Stefan Zweig e Ernest Hemingway, artistas como Picasso, Chagal e Matisse, políticos como os Kennedys, De Gaulle e Winston Churchill, aristocratas como o Duque de Windsor e Wallis Simpson, músicos como John Lennon, Ella Fitzgerald e Serge Gainsbourg, e muitos, muitos artistas de Hollywood – que visitam o hotel há décadas durante cada edição do Festival de Cannes. Foi na varanda do pavilhão Eden-Roc que Rita Hayworth se apaixonou pelo príncipe Aly Khan – aparentemente apresentados pelo então diretor do hotel, André Sella.

Foto: Fernanda Fehring

Esse hotel icônico, dono de uma história fascinante, é um lugar excepcional, onde excelência de serviço, um cenário deslumbrante, uma informalidade surpreendente e o sol e mar da costa disputam o protagonismo.  Neste artigo, exploro a experiência incomparável que é se hospedar em um hotel como o Hotel du Cap-Eden-Roc, uma propriedade como nenhuma outra na Côte d’Azur, ou no resto do mundo.

Foto: Fernanda Fehring

Como tudo começou

A história do hotel começa em 1865 quando Auguste de Villemessant, dono do jornal francês “Le Figaro”, abre no local a Villa Soleil, um refúgio à beira-mar para escritores e artistas precisando de descanso. Sem dinheiro para investir em melhorias na propriedade, o local é vendido para aristocratas russos, que transformam a propriedade em hotel de luxo e o reabrem em 1870 como Grand Hotel du Cap. Mas no verão seguinte, estoura a guerra franco-prussiana, que é seguida pela Grande Depressão e o hotel é fechado e assim permanece por quase duas décadas.

Foto: Arquivo Hotel du Cap

Em 1887, o hotel é comprado por Antoine Sella, um jovem hoteleiro italiano do Piedmont, que renova e reabre a propriedade em 1889. Nos próximos anos, o negócio sofre com dificuldades financeiras, mas com a ajuda do político britânico Lord Onslow, a propriedade passa por modernizações em 1903, quando são adicionados banheiros privativos e instalados aquecedores centrais. O hotel permanece com a família Sella (primeiro com Antoine, e depois com seu filho André) pelas próximas décadas, que mais tarde constrói à beira-mar o pavilhão Eden Roc, e adiciona a lendária piscina de água salgada à propriedade.

Foto: Arquivo Hotel du Cap

À época, a tradição era passar os invernos na Riviera Francesa, já que a elite preferia curtir os verões em cidades mais frescas da costa oeste como Deauville ou Biarritz. Os hotéis da Côte d’Azur permaneciam fechados nos meses de verão (considerados quentes demais no Mediterrâneo), e a saison começava em setembro e terminava em abril – quase o oposto dos dias de hoje, que começa em abril e termina em outubro.

Foto: Arquivo Hotel du Cap

Os primeiros verões da riviera

A mudança veio nos anos 1920, quando o costume de passar os verões na Côte d’Azur começou com os americanos Gerald e Sarah Murphy – que vieram visitar a região pela primeira vez com o amigo Cole Porter. No verão de 1923, convenceram Antoine Sella a alugar quase todo o hotel para eles que abriram caminho para seu entourage, que incluía o próprio Porter, Scott e Zelda Fitzgerald, Ernest Hemingway, Dorothy Parker, Jean Cocteau e Pablo Picasso – nomes de peso que ajudaram a criar a aura de paraíso à beira-mar que a Riviera tem até hoje. Dali para frente, os verões na Côte d’Azur viram moda e o Hotel du Cap se transforma em point de artistas, compositores e escritores. E assim nasce uma lenda.

Foto: Arquivo Hotel du Cap

Em 1930, o Duque de Windsor e Wallis Simpson visitam o hotel e viram hóspedes regulares – mesmo após a abdicação ao trono britânico – já que tinham sua privacidade garantida enquanto estivessem por lá. O mesmo acontecia com políticos, como os primeiros-ministros britânicos David Lloyd George e Winston Churchill, Charles de Gaule e até os Kennedy, que passaram o verão de 1939 aproveitando as cabanas privadas do Hotel du Cap.

Foto: Arquivo Hotel du Cap

Dizem as más línguas que o velho – na época embaixador americano em Londres – que passava férias com sua mulher Rose e nove de seus filhos no hotel, se apaixonou e engatou um affair lá mesmo com a atriz Marlene Dietrich. Ela também de férias no hotel com o marido, a filha, a amante do marido, e o amante dela, Erich Maria Remarque. Para escapar dessa gente toda, a cabana privativa de Mrs. Dietrich teria sido o refúgio do casal e palco do tórrido romance entre Joe e “Gilda”.

Foto: © John F. Kennedy Library Foundation

Festival de Cannes

Mas foi o Festival de Cannes, em 1946, que deu o pontapé inicial para mais um grande “caso de amor” vivido entre os astros de Hollywood e o Eden-Roc. Graças ao festival de cinema na vizinha Cannes, atores, atrizes, produtores e diretores retornam ano após ano e são hóspedes frequentes da propriedade.

Foto: Arquivo/Getty Images

A lista das estrelas que visitam ou já visitaram o hotel é imensa, com nomes que vão desde Kirk Douglas, Clint Eastwood e Leonardo di Caprio, até Sean Penn, Sharon Stone, Brad Pitt e Angelina Jolie. Sem mencionar os muitos atores franceses, dentre eles Alain Delon e Catherine Deneuve.

Foto: Fernanda Fehring

A família Oetker

Em 1964, mais uma história de amor começa, dessa vez entre o hotel e o casal Maja e Rudolph Oetker, donos da empresa alimentícia Dr. Oetker. O casal velejava pelas águas do Mediterrâneo quando avistaram uma bela mansão branca na costa e imediatamente se apaixonaram pelo local. A casa em si era o pavilhão Eden-Roc. Cinco anos mais tarde, o hotel é posto à venda pela família Sella e o casal compra a propriedade sem nunca ter pisado no hotel. Os Oetkers mantêm o hotel e sua equipe intactos, e o espírito do lugar permanece o mesmo. Desde então, outros hotéis ao redor do mundo foram adicionados ao portfólio do que é hoje o selo de hotéis de luxo Oetker Collection.

Foto: Fernanda Fehring

O Hotel du Cap-Eden-Roc

Situado em uma das localizações mais extraordinárias da Côte d’Azur, o hotel fica a 15 quilômetros de Cannes e a 25 quilômetros de Nice. A propriedade magnífica se encontra em um parque com 22 acres de florestas de pinheiros de Aleppo, e de frente para o mar mediterrâneo e para as belas Ilhas Lerins.

Foto: Foto: Arquivo Hotel du Cap

O hotel conta com 188 lindos quartos e suítes espalhados por três prédios diferentes: o prédio principal do Hotel du Cap, a original Villa Soleil; o Pavilhão Eden-Roc, à beira-mar; e o Les Deux Fontaines. As acomodações são decoradas com flair francês e trazem lustres de cristal, tecidos suaves e camas em palhinha pintadas, marca registrada dos hotéis do grupo na França.

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

A propriedade conta também com três vilas particulares: a Villa Sainte-Anne, de 5 quartos; a Villa Eleana, de 3 quartos; e a Villa Les Cèdres, de 3 quartos. Todas têm acesso à propriedade e contam com o serviço personalizado do hotel.

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Arquivo Hotel du Cap

A icônica piscina de borda infinita é conhecida mundialmente através de imagens de celebridades que por lá estiveram, e foi imortalizada pelo fotógrafo americano, Slim Aarons nos anos 1970. A piscina foi talhada dentro do rochedo de frente para o mar, e o contraste de sua borda com o mar é tão bonito que o local se transformou em um dos cartões postais do hotel.

Foto: Fernanda Fehring

Ainda na propriedade, encontra-se o Spa by La Prairie, que oferece tratamentos faciais e corporais em salas de tratamento indoors e outdoors. Na área de wellness, há ainda sauna, hamman, academia de ginástica, salão de cabelereiro e de beleza, aulas de yoga e um chuveiro sensorial. O hotel também abriga cinco quadras de tênis de saibro cercadas pelos pinheiros deslumbrantes do jardim.

Foto: Fernanda Fehring

Mas diante de tamanha beleza e um cenário tão perfeito, o destaque vai, indiscutivelmente, para a atenciosa equipe do hotel. Com colaboradores que fazem parte de seu quadro de funcionários há décadas, o Hotel du Cap tem aquele ar familiar e uma excelência de serviço que poucos hotéis no mundo têm.

Foto: Fernanda Fehring

Arte e natureza

Neste verão, o Hotel du Cap convidou o artista espanhol Manolo Valdés para expor suas monumentais esculturas em seus jardins. A exposição “La Rêverie” mostra trabalhos como “Las Infantas” e “Cabeça com Borboletas” e conseguem deixar o hotel ainda mais especial.

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

Gastronomia

A gastronomia do hotel é excelente e tem como chef executivo o experiente Eric Frechon, que também comanda outras propriedades do selo Oetker Collection. Dentre as boas opções do hotel, estão alguns dos restaurantes e bares mais lindos da Côte, que passaram por uma reforma recente e tiveram projeto assinado pela arquiteta brasileira Patricia Anastassiadis. A mais recente adição, foi o belo rooftop do Pavilhão Eden-Roc, mais um trabalho primoroso de Patricia.

Foto: Fernanda Fehring

O supercharmoso Eden-Roc Grill tem linda vista para o mar e as ilhas Lerins, e fica aberto para almoço e jantar. Sua carta apresenta peixes, massas e saladas, risotos e sanduíches. O destaque vai para o novo fish bar, que oferece fresquíssimos ceviches, carpaccios, tartares e pescados do dia.

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

O restaurante Eden-Roc, localizado no mesmo pavilhão, serve café da manhã e almoço em belíssimo ambiente com bonita varanda com vista para o mar. Na carta, assinada pelo chef Sébastien Broda, predominam os frutos do mar fresquíssimos, e produtos locais para o preparo do café da manhã.

Foto: Fernanda Fehring

O mesmo ambiente se transforma à noite em Louroc, o restaurante gastronômico do hotel, com uma estrela Michelin. Com carta preparada a quatro mãos, por Frechon e Broda, o Louroc traz menu de fusão entre sabores do Mediterrâneo e da Provence. Os chefes trabalharam em próxima parceria com produtores locais para oferecer o que há de melhor na região.

Foto: Fernanda Fehring

Dentre os bares, é difícil escolher o mais bonito. O Bar Bellini, localizado no prédio principal do Hotel du Cap, é puro glamour. Com belo décor e terraço com vista para os magníficos jardins da propriedade, torna-se uma excelente opção para degustar a ótima carta de cocktails e vinhos franceses no cair da tarde.

Foto: Fernanda Fehring

Porém, um dos ambientes mais bonitos do hotel é o Bar La Rottonde, uma obra-prima de Patricia Anastassiadis. A decoração é simplesmente de capotar, com enormes cortinas ornando janelões em arco com vista para o mar, tecidos em tons pastéis e lindos móveis feitos especialmente para o projeto. Os painéis pintados na parede são puro charme. De um bom gosto único.

Foto: Fernanda Fehring

Há dois bares na piscina, o lindo Pool Bar, que serve a todos os hóspedes que estão na área externa e curtindo o sol nas espreguiçadeiras, e o Eden-Roc bar, na parte de dentro do hotel, para quem prefere se proteger dos raios solares.

Foto: Fernanda Fehring

E, por fim, o charmosérrimo Juice & Ice Cream Bar, que serve sucos frescos e smoothies, e sorvetes gourmets para serem degustados em dias de calor. Um lugar lindo e mais um detalhe delicado desse hotel tão especial.

As cabanas

A atração que mais gostei de todo o hotel foram as 33 cabanas privativas construídas, na década de 1930, no rochedo de frente para o mar. São espaços reservados, com espreguiçadeiras, guarda-sóis e uma mesa onde é servido o almoço – o nosso estava dos Deuses.

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

A privacidade é total e a vista é de capotar, e é um luxo absoluto passar horas e horas ali pegando sol, observando as gaivotas e o mar revolto, que bate incansavelmente nas pedras. Quando o calor aperta, um mergulho é providencial e para isso há escadas que levam os hóspedes até o mar. Coisa de cinema.

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

Minha estadia

Receber um convite para me hospedar no Hotel du Cap foi motivo de imensa alegria, mas não sem uma pitada de inquietação sobre o tipo de ambiente que encontraria por lá. Afinal, o lugar é conhecido por receber há décadas o jetset internacional – príncipes, reis e muitas estrelas, e temia encontrar uma atmosfera um pouco cordial e sofisticada demais.

Foto: Fernanda Fehring

Mas, na verdade, o Hotel du Cap não poderia ser mais diferente. A informalidade do lugar é surpreendente, e aliada à alegria e simpatia de sua equipe, a beleza de seu cenário e instalações de extremo bom gosto (e sem nenhum traço de ostentação) cria uma atmosfera extremamente convidativa e simpática. O Eden-Roc é um hotel deslumbrante sim e com uma história fascinante, mas com uma boa dose de descontração e leveza, e com colaboradores que tratam os hóspedes como velhos conhecidos. Uma combinação absolutamente irresistível.

Foto: Arquivo pessoal/Fernanda Fehring

Nossa suíte, a de número 33, a mais bonita e bem localizada do hotel, foi a mais espetacular que já me hospedei em mais de 30 anos de viagens – de uma beleza incomparável – e com a vista mais bonita que poderíamos encontrar. E mesmo um ambiente tão bonito e elegante consegue proporcionar um aconchego admirável.

Foto: Fernanda Fehring

O serviço excelente, marca registrada do selo Oetker Collection, se faz presente nesse hotel através de gentilezas e gestos de carinho. E agradeço à toda a equipe do Hotel du Cap-Eden-Roc por nos receberem com tanta delicadeza. Merci!

Foto: Fernanda Fehring

Hotel du Cap-Eden-Roc
167-165 Bd J. F. Kennedy,
06160 Antibes
França
Oetkercollection.com
@hotelducapedenroc

@fernandafehring é formada em Hotelaria, Gastronomia e Turismo pela Universidade de Surrey, na Inglaterra, e em Cozinha pela École Le Cordon Bleu, de Paris. Foi expatriada por 18 anos, morando em países como Inglaterra, Alemanha, China, França e África do Sul. Mas é no Rio de Janeiro que Fernanda se sente mais feliz. Formada pela McQueens de Londres, Fernanda teve um ateliê de flores durante seis anos no Rio. Trabalha atualmente como curadora de viagens e colunista, e sua grande paixão são as viagens de natureza e de isolamento. País preferido no mundo? África do Sul. Viagem dos sonhos? Alasca.