Foto: André Giorgi
Foto: André Giorgi

Por Vanessa Barone

Inteligente e articulada, a empresária Isabela Veronezzi, de 38 anos, não precisa se esforçar para chamar a atenção. Vestida de preto – cor que domina também as peças de sua marca, a Reorder -, ela quer passar despercebida, deixando o foco para o seu discurso. “O que me interessa é sensibilizar as pessoas pela minha causa”, diz a empresária, originalmente formada em Turismo, que descobriu sua vocação de ativista ambiental depois de passar muito tempo sentada na areia da praia – enquanto assistia ao marido surfar.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Para matar o tempo, Isabela, junto Aos filhos pequenos, recolhia o lixo (sobretudo, plástico) deixado nas areias da praia por banhistas. “A questão do plástico poluindo os oceanos sempre me incomodou”, diz ela, que decidiu colocar o discurso em prática há três anos. “Sou mãe de crianças de 9 e 5 anos. Tenho obrigação de dar o exemplo para essas novas gerações.”

Moradora de Balneário Camboriú (SC), Isabela fez da praia o seu escritório e balão de ensaio para a Reorder, grife de beachwear que trabalha com tecidos produzidos a partir de garrafas PET e redes de pesca recicladas – disponível na loja Pair e na NK Store, em São Paulo.

Foto: Reprodução/Instagram/@reorder.cc
Foto: Reprodução/Instagram/@reorder.cc

Da mesma forma que sua criadora, a Reorder foge dos estereótipos. A primeira coleção, para lá de enxuta, é composta por oito peças, todas lisas e pretas. O que importa mesmo está por dentro: fios produzidos com o lixo plástico que foi (ou iria) parar nos oceanos, matando animais, como baleias e tartarugas, e criando ilhas de entulho flutuantes.

“A ideia da marca é reordenar o consumo e as relações de trabalho e produção”, explica Isabela, que foi atrás de fabricantes de fios e ajudou a desenvolver matérias-primas de qualidade, duráveis e confortáveis. “Foram três anos de pesquisa e desenvolvimento de produto para chegar ao melhor resultado. Faço peças com design sofisticado, produzidas com Econyl – náilon regenerado de redes de pesca resgatadas do mar.” Os produtos têm maior resistência ao cloro e proteção UV.

A Reorder também trabalha com a Repreve, fibra desenvolvida pela multinacional Unifi a partir da reciclagem de garrafas PET. “Cada compra contribui efetivamente com a retirada dos artigos de pesca e materiais plásticos dos oceanos”, explica a empresária, que, apesar de vir de uma família de comerciantes, nunca sonhou em entrar para o mundo da moda e precisou aprender de modelagem a fiação para colocar a Reorder de pé.

“O que me interessa, nesse segmento, é o poder que ele tem de gerar tendências e mudar comportamentos”, diz. “Minha contribuição foi o lifestyle da praia, do qual eu entendo. Sendo pelo design ou por amor à causa, o que importa é que as pessoas gostem e comprem os produtos da Reorder”, afirma. “Se isso acontecer, terei dado um passo importante.”

Leia mais:
Zozibini Tunzi foi a quinta mulher negra a ganhar o Miss Universo
Djamila Ribeiro lança o “Pequeno Manual Antirracista”
Ana Flávia Cavalcanti usa a arte para questionar a sociedade