João Incerti – Foto: Divulgação

Por Eduardo Viveiros

Se a arte pode ser encarada como uma reflexão do ambiente onde é produzida, nada mais coerente que um mundo desordenado gere uma estética que foge da beleza fácil.

É aí que entram em cena estes dois novos criadores, que têm chamado atenção pelas redes sociais com suas roupas customizadas à base de tinta colorida e uma vibe de street art.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Um tem as peças disputadas a tapa, o outro prefere ensinar como fazer. Em comum, uma criação desamarrada que não se prende a rascunhos. Conheça:

O Incerto

João Incerti – Foto: Divulgação

“O que caracteriza meu trabalho é que sou meio sem capricho”, lança João Incerti, sem disfarçar uma certa sensação de caos. “As pessoas acham que têm de fazer muito certinho, e eu sempre fui meio largado. Minha pintura tem muito disso, de ser sem preciosismo.”

E foi meio de qualquer jeito que este carioca de 24 anos virou figurinha de rede social, dividindo as postagens entre sua gatinha Prada e uma vontade incontrolável de customizar roupas de brechó. “Fui criado em uma fazenda, em Teresópolis, meio alienado de tudo, sem nada para fazer. E lá desenvolvi todo o gosto pelo desenho e pelos trabalhos manuais”, conta.

A ideia de customização apareceu na adolescência, já morando no Rio. Ao mesmo tempo, alimentou a carreira de designer de superfícies na Farm, onde começou como estagiário e, hoje, é especialista em arte. Mas, se o trabalho com estamparia fez refinar seus processos, foi a retomada do trabalho manual, em casa, que serviu de válvula de escape para a verve de meme pop de João.

João Incerti – Foto: Divulgação

Sua arroba no Instagram, criada há poucos anos, é um streaming de construção de um guarda-roupa bem-humorado – cheio de tintas ensolaradas e frases debochadas. “Sou muito brincalhão, não levo as coisas a sério. E gosto que minhas roupas sejam divertidas”, define, sobre as peças. “Estou ali fazendo o que quero vestir e não acho. Mas, ao mesmo tempo, gosto de ensinar, então, dou o passo a passo de tudo. Gosto de ver as pessoas copiando”, diz, enquanto pinta roupas que serão usadas por uma personagem de minissérie de TV.

A cantora Iza é uma das poucas sortudas que já vestiram a arte do garoto Incerto, no clipe da faixa “Dona de Mim”. Já quem não é diva pop nem tem habilidades manuais para seguir os tutoriais que João posta na rede, melhor torcer para que role uma terceira coleção em parceria com a Farm e ficar de olho em collabs com outras marcas, que devem, em breve, parar até em objetos para a casa. Ou entrar no IG e usar algum dos filtros para stories desenvolvidos por esse influencer acidental.

Luan Zumbi

Luan Zumbi – Foto: Divulgação

O que acontece se você misturar os retratos de Frida Kahlo com a arte pop de Keith Haring mais um amor especial por figuras monstruosas e fora do padrão? Esse é o segredo de Luan Zumbi, artista plástico paulistano que usa a moda como suporte e ferramenta de expressão e ativismo.

Não é de hoje que a arte de Luan flutua por aí. Em 2020, ele completa uma década de tintas e intervenções soltas em tecido – trabalho que começou ainda na faculdade de moda. “Pintava por não ter muito dinheiro para comprar roupas novas. Daí, comecei a vender para os amigos, mas nem imaginava que ia virar o que virou”, conta.

Luan Zumbi – Foto: Divulgação

A guinada foi em outubro de 2017, quando Pabllo Vittar apareceu usando camiseta estampada com uma versão zumbificada de seu rosto – presente de Luan, que entrara de penetra em show fechado. “Até então, eu fazia peças sob encomenda, com calma. Mas tudo saiu do controle”, conta ele, que passou a ver a base de fãs crescendo e a demanda se tornar uma confusão.

Agora, as novas peças são disputadas em minicoleções vendidas por sorteio no Instagram. As artes das roupas amplas, que costumam demorar um dia para ficar prontas, são quase uma criação freestyle: Luan sai inventando a ilustração na hora de pintar cada peça, sem ensaio nem esboço. Mas sempre com cores fortes e traços grossos, feitos com tinta de serigrafia, e defesa política dos públicos feminino e LGBTQI+, que o acompanham de perto.

Luan Zumbi – Foto: Divulgação

Para este ano, Luan deve estrear na passarela. Depois de trabalhar ao lado de amigos e fazer collabs especiais com marcas independentes, como Igor Dadona, é a vez de um desfile próprio para marcar esses dez anos. “É para ser uma coisa especial, fazer o primeiro – e talvez único – desfile, ainda sem data e local definidos. Já estou costurando e pintando, mas é para acontecer sem pressa.”