Miu Miu, verão 2022 – Foto: Getty Images

Por Jorge Wakabara

Uma das eras que mais inspiram os criadores de moda nesse momento é o Y2K, referente à virada dos anos 1990 para os 2000. Quem de fato viveu esse tempo, temeu o bug do milênio e sabe que o mom jeans (aquele de cintura alta que andava em alta até antes da pandemia chegar) foi substituído aos poucos… Quando a gente percebeu, o hip hop era superpop e as calças, que ora eram bem amplas (para as novinhas, tipo Britney Spears e Christina Aguilera), ora eram a tal semibaggy mais contida (no elenco de “Friends” e em Gwyneth Paltrow) tinham algo em comum: a cintura baixa. Mas muito baixa. Sem exagero: parecia um desafio à gravidade, às lógicas da física. Como é que ela não caía?

A pergunta deve voltar a nos assolar, especialmente via passarela de verão 2022 da Miu Miu: Miuccia Prada resgatou aquele look à moda Britney e Xtina, de barriga de fora e cintura ultrabaixa, com a calça superlarga. Foi um dos grandes destaques da temporada internacional, deve influenciar bastante essa estação e também chamou a atenção porque trouxe uma calça baggy que, surpresa, não é jeans. O tom de bege (ou os aposentados termos “ocre”, “cru”… Como você chamaria?) em pegada de alfaiataria dá um clima andrógino, meio “achei só desse tamanho no brechó”.

Não que o jeans esteja fora dessa. Pelo contrário: com uma diferença de horas, Pierpaolo Piccioli apresentou sua versão do baggy jeans no desfile da Valentino. E parece mesmo que ela saiu direto de um guarda-roupa da época, usada com uma camisa branca semitransparente cheia de flores aplicadas, uma corrente dourada no pescoço e bolsa baguete branca na mão! Tem coisa mais Y2K do que bolsa baguete?

Bottega Veneta – Foto: Getty Images

Também teve baggy na Balenciaga, na Bottega Veneta, na Salvatore Ferragamo.

Valentino – Foto: Getty Images

Porém, o ápice da baggy de luxo ainda estava por vir. Surpresa: é a baggy alta-costura! De alfaiataria, talvez por influência da Miu Miu, ela aparece na mesma Valentino (mas, agora, em tecido fino, marfim, elegantérrima), Alexis Mabille, Alexandre Vauthier… A Gwyneth de 1999 adoraria uma dessas. A memória afetiva bomba nesse minimal chic!

Os jeitos de usar são vários: com camisa de manga comprida deixando os últimos botões abertos para mostrar o umbigo; ou numa parte de cima mais longa, cobrindo o cós para quem é mais comportada. Também tem a opção do já desgastado meme: “reage, bota um cropped!” é a frase que mais se leu no começo do ano nas redes sociais. Vale com baggy de cintura baixa, sim! E se não tiver um cropped à mão, passa a tesoura no que rolar tal qual fizeram na coleção da Miu Miu, meio punk de boutique. Ou punk de Ivy League!

Kenzo – Foto: Getty Images

E para não dizerem que não falamos de futuro: a baggy dá sinais que vai reinar por bastante tempo. A Kenzo, que agora tem direção criativa de Nigo e está mais streetwear que nunca, mostrou uma calça mais solta na coleção inverno 2022.

Vetements – Foto: Getty Images

Na modernosa Vetements, idem: baggy neles e nelas! Tem a ver com o atual momento, no qual a gente ainda quer aquele conforto do lockdown do pijama, mas ao mesmo tempo não quer mais vestir look que pareça confortável demais e remeta a 2021, o ano do moletom. Né? Nessa dicotomia, a calça baggy sai ganhando, enquanto a parte de cima pode ser mais vaporosa, arrojada e até diminuta.

Você é do time que vai usar? Ou vai esperar mais um pouco para ver se vinga?