Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE

O que impressiona o público é a habilidade de um criador de tornar algo comum, do dia a dia, em arte. O desenvolvimento de um coleção, que parte de um tema e se torna de fato peça de roupa é o segredo. E no quarto dia de Casa de Criadores, a Saint Studio conseguiu: a marca se baseou na folha de papel. Em busca do minimalismo extremo, os designers encontraram no papel o absoluto do mínimo. Em entrevista exclusiva para a Bazaar, o diretor criativo da marca Caue Nunes e a estilista Isis Gomes, comentaram sobre o processo criativo da coleção. Veja a seguir:

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

O processo criativo foi iniciado a partir da cor. Primeiro foram organizados os tons, e em seguida foram construídas as peças.

Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE

“Fomos atrás da essência do minimalismo no design, porque somos um studio de design, além de uma marca de roupa slow fashion. Procuramos o que seria o objeto mais minimalista dentro do design, que seria a essência de toda a criação. E encontramos a folha de papel.” Explicou a estilista sobre a inspiração. E para transformar esse tema em roupa, ela escolheu usar apenas as costuras essenciais, e o acabamento a fio. Assim, foi possível alcançar uma silhueta quadrada, como o papel.

Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE

Para a modelagem, a Saint Studio se baseou nos possíveis dobramentos do papel, da colagem, e dos tecidos sobrepostos. “Queremos mostrar a versatilidade de cada tecido, em diferentes peças. E trazemos o conforto no tecido, que ao mesmo tempo é estruturado como uma folha de papel, e por ser um casual confortável, ele traz a versatilidade de usar tanto com salto tanto tênis.”

Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE

Os designers queriam provar que é possível ser minimalista em qualquer cor: “Podemos ser minimalistas além de usar o preto e branco, por isso trouxemos o tom cinza, o areia e o rosa.”

Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE

“Utilizamos o neoprene, o double fit – que seria algo similar ao suplex – e a sarja em algodão cru.” Foram usados apenas três tecidos para desenvolver os 20 looks do desfile.

Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE

E todas os acessórios são de produção Saint Studio. “Os sapatos femininos foram feitos em parceria com a Nuu Shoes. As joias, ós óculos de sol, os relógios e carteiras são nossos.”

Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE
Foto: Marcelo Soubhia/FOTOSITE

No quesito sustentável, a Saint Studio afirma: “Planejamos a coleção comercial pensando em como seria um guarda roupa de fato. Para cada temporada, desenvolvemos peças que se complementam, assim a nova coleção complementa a anterior.”

Leia mais:
Alfaiataria feita com tecidos de reúso é destaque na Casa de Criadores
Paulo Martinez: “Casa de Criadores é sobrevivente”
MARTINS.TOM é destaque no primeiro dia da Casa de Criadores
Casa de Criadores 2018: a tendência da vez é oversized 
Veja o line-up completo da Casa de Criadores
Casa de Criadores estreia desfile focado em algodão